Ano de 2015

Janeiro

21 de Janeiro, 4ª feira, pelas 18:30h
Homenagem a Miguel de Unamuno

Miguel UnamunoPor ocasião do 150º aniversário do seu nascimento, o Grémio Literário presta homenagem a um dos maiores vultos da cultura espanhola e grande amigo de Portugal, que foi Miguel de Unamuno.

Representante maior da famosa “geração 98”, que marcou a história do pensamento no país vizinho, Unamuno, escritor, poeta e filósofo, e professor ilustre que ocupou durante anos o cargo de Reitor da Universidade de Salamanca, também se notabilizou pela sua intensa actividade cívica em defesa dos valores da liberdade e do acesso ao conhecimento. Foi, além disso, um grande conhecedor do nosso país, que visitou com frequência e onde fez amizade com grandes nomes da nossa literatura, como Antero de Quental, Guerra
Junqueiro, João de Deus, Fidelino de Figueiredo, entre outros, laços esses que deixou registados no seu conhecido livro “Por terras de Portugal e Espanha”.

Nesta sessão de homenagem será exibido um filme-documentário, gentilmente cedido pelo Instituto Cervantes, intitulado “Unamuno apaixonado”, da autoria de Rafael Alcazar, realizado no ano anterior, a que se seguirá uma conferência da Profª. Dra. Fernanda Abreu, da Universidade Nova de Lisboa, que nos falará das relações de Unamuno com Portugal.

A sessão será seguida de jantar ao preço de 30,00€ por pessoa.

 

29 de Janeiro, 5ª- feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

João SalgueiroProssegue no próximo dia 29, tendo João Salgueiro como orador convidado, o novo ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema “Portugal pós-troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?“.

João Maurício Fernandes Salgueiro, de seu nome completo, nasceu em Braga em 1934, tendo-se licenciado em Economia, pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, e pós-graduado em Planeamento Económico e Contabilidade Pública, pelo Instituto de Estudos Sociais de Haia, nos Países Baixos.

Foi como técnico do antigo Banco de Fomento que iniciou uma auspiciosa carreira profissional ligado à Banca, chegando a vice-governador do Banco de Portugal, presidente dos Conselhos de Administração do Banco de Fomento Nacional e da Caixa Geral de Depósitos e presidente da Associação de Bancos Portugueses.

Desde muito cedo que João Salgueiro se envolveu nos movimentos de reflexão política com expressão católica, tendo presidido à Juventude Universitária Católica e participado mais tarde na fundação da SEDES, no período da Primavera Marcelista.

Em 1969 foi nomeado Subsecretário de Estado do Planeamento, por Marcello Caetano, cargo que ocupou até 1971. Depois do 25 de Abril, aderiu ao Partido Social Democrata. Foi Ministro de Estado, das Finanças e do Plano do VIII Governo Constitucional, de Pinto Balsemão, entre 1981 e 1983.

Actualmente, é membro do Conselho Económico e Social, vogal do Fundo de Garantia de Depósitos e colaborador da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, onde rege o Seminário de Economia Europeia.

Polémico e frontal, João Salgueiro defendeu numa entrevista em 2013 um plano de emergência para o desemprego, dizendo que não se chocaria ao ver pessoas com formação universitária na construção civil ou a limpar matas. «Depois da Segunda Guerra Mundial as pessoas fizeram isso. Trabalharam com as mãos».

Mais recentemente, sobre o colapso do BES e o temido efeito sistémico declarou que: "Somos provincianos se pensamos que a queda de um banco pode criar problemas ao País. Só cria se nos deixarmos apanhar. Não vejo nenhuma razão para isso acontecer".

Crítico, também, da política de Bruxelas em relação à Grécia, o economista lembrou que se os líderes europeus tivessem «ajudado a combater a situação da Grécia há ano e meio atrás estávamos agora muito melhor na Europa».

Personalidade enérgica, temperada no rigor das coisas, João Salgueiro aceitou o convite para intervir no novo ciclo de jantares-debate, promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, "Portugal pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro".

Uma reflexão em directo a não perder.

O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

Fevereiro

 

16 de Fevereiro, 2ª feira, pelas 20:30h
Festa de Carnaval

Noite de fadosÀ semelhança do ano anterior o Grémio Literário promove um jantar com baile, para assim se assinalar devidamente esta data marcante do calendário festivo tradicional.

A animação musical fica a cargo de um disck-jockey de reconhecida qualidade que nos tem acompanhado com êxito nestes momentos.

Venha ao Grémio e traga os seus convidados.

Surpreenda-nos com a sua criatividade, no trajar carnavalesco.

O preço do jantar é de 40,00€, por pessoa.

 

26 de Fevereiro, 5ª- feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Retoma-se no próximo dia 26, com Eduardo Catroga, o novo ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema “Portugal pós-troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?“. Na oportunidade, o orador convidado fará incidir a sua abordagem sobre as “Alternativas na Economia Europeia”.

Noite de fadosEduardo de Almeida Catroga, nasceu em S. Miguel do Rio Torto, em Abrantes, a 14 de Novembro de 1942, tendo-se licenciado em Finanças, no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras da Universidade Técnica de Lisboa (actual ISEG), em 1966, onde recebeu o Prémio Alfredo da Silva, pela classificação mais elevada do curso.
Foi um prémio premonitório. No ano seguinte, iniciaria, precisamente na CUF, a sua longa carreira empresarial, e aos 31 anos, era já membro do Conselho de Administração e da Comissão Executiva.
 Mais tarde, foi vice-presidente executivo da Quimigal, de 1978 a 1980. Em 1981, passou a administrador delegado da Sapec.

Eduardo Catroga desenvolveu, ainda, uma profícua actividade como docente universitário. Foi professor do ISCEF, de 1968 a 1974, e professor catedrático convidado, a partir de 1990. Em 1979, frequentou o Program for Management Development, da Harvard Business School.  Em 2012, foi-lhe atribuído o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade Técnica de Lisboa, hoje Universidade de Lisboa.

Na década de 80 foi, ainda, administrador não executivo da BP Portugal e presidente do conselho de administração da CELCAT. Desde Fevereiro de 2012, é presidente do Conselho Geral e de Supervisão da EDP, onde já era vogal desde 2007. Desempenha ainda funções de administrador não executivo na Nutrinveste e no Banco Finantia, sendo membro do Comité de Investimento da PVCI (Portugal Venture Capital Iniciative), um fundo de fundos de investimento ligado ao Banco Europeu de Investimento.

Para além da longa carreira, de quase meio século, no sector privado, Eduardo Catroga foi Ministro das Finanças do XII Governo Constitucional, como independente, no último mandato de Cavaco Silva, como Primeiro-ministro, entre Dezembro de 1993 e Outubro de 1995.

Desempenhou ainda, e sempre como independente, duas outras missões políticas: em 2010, chefiou o grupo de negociação do Partido Social Democrata (PSD), que acordou com o governo socialista de José Sócrates a viabilização do Orçamento Geral de Estado de 2011; e em meados de 2011, a convite do Presidente do PSD, coordenou a elaboração de proposta para o programa eleitoral do PSD às eleições de Junho de 2011.

Em 2007 foi-lhe atribuído o Prémio Carreira de Economista, pela Ordem dos Economistas e a distinção de Antigo Aluno do Ano, pelo ISEG. A 9 de Junho de 2006 foi agraciado pelo Presidente da República, com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.

Personalidade vigorosa, Eduardo Catroga dizia, ainda em Outubro do ano passado, que “é preciso que as pessoas tenham consciência de que o País está a corrigir excessos e isso tem reflexos no poder de compra das famílias. Embora contenha riscos, este Orçamento traz alguns sinais positivos para as famílias e para as empresas. De acordo com o OE 2015, cerca de 4 milhões de portugueses vão ter mais poder de compra, ainda que de uma forma muito frágil”.

Polémico, refere ter o costume de dizer “ aos meus amigos de esquerda que o período de descalabro das contas públicas portuguesas foi de 1996 a 2010. Nesse período, o Partido Socialista governou 85% do tempo”.

Sobre a União Europeia, não hesita em afirmar que o problema “ é que temos todos os motores gripados há muito e começa na falta de crescimento económico, que vai ser lento no próximos anos, por a Europa não se ter adaptado à globalização, que implica reduzir despesa pública, reduzir carga fiscal e criar condições de atractividade de investimento produtivo. A UE como um todo tem de criar condições para financiar de forma sustentável o Estado social”.

Reconhecido pela sua frontalidade, Eduardo Catroga aceitou o convite para intervir no novo ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, "Portugal pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro".

Uma reflexão em directo a não perder.

O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

05 de Março, 5ª feira, pelas 19:30h
Conferência sobre “O Futuro da Austeridade na Europa”

O Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Dr. Manuel Camarate Frias, vai organizar uma conferência subordinada ao tema “ O Futuro da Austeridade na Europa”, sendo orador o Dr. Carlos Manuel Botelheiro Moreno.

Noite de fadosLicenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, o Dr. Carlos Moreno é possuidor de um vasto currículo profissional e académico na área das finanças públicas, o que lhe dá uma visão impar dos graves problemas com que as instâncias europeias se deparam, no sentido de compatibilizar o crescimento económico com o equilibro das contas públicas.

Depois de ter passado por diversas funções no Ministério das Finanças, onde foi Director Geral do Tribunal de Contas e Inspector-Geral das Finanças, o Dr. Carlos Moreno desenvolveu, entre outras, as seguintes actividades:

  • Presidente de júri em vários concursos de privatização de empresas de capitais públicos;
  • Juiz do Tribunal de Contas Europeu, onde foi o primeiro português a assumir esse cargo;
  • Juiz Conselheiro do Tribunal de Contas;
  • Docente Universitário no ISEG, na UAL e no ISEM;
  • Relator de inúmeros Relatórios de auditoria sobre o SPE e as PPP.

O Dr. Carlos Moreno, que foi agraciado com a Grande Croix de L’Ordre de Mérite do Luxemburgo, é autor de várias dezenas de publicações abordando temas relacionados com as finanças públicas e, mais recentemente, conferencista assíduo em diversas audiências.

A conferência é seguida de jantar, pelas 21h, ao preço de 30€, por pessoa.

Março

05 de Março, 5ª feira, pelas 19:30h
Conferência sobre “O Futuro da Austeridade na Europa”

Noite de fadosO Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Dr. Manuel Camarate Frias, vai organizar uma conferência subordinada ao tema “ O Futuro da Austeridade na Europa”, sendo orador o Dr. Carlos Manuel Botelheiro Moreno.

Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, o Dr. Carlos Moreno é possuidor de um vasto currículo profissional e académico na área das finanças públicas, o que lhe dá uma visão impar dos graves problemas com que as instâncias europeias se deparam, no sentido de compatibilizar o crescimento económico com o equilibro das contas públicas.

Depois de ter passado por diversas funções no Ministério das Finanças, onde foi Director Geral do Tribunal de Contas e Inspector-Geral das Finanças, o Dr. Carlos Moreno desenvolveu, entre outras, as seguintes actividades:

  • Presidente de júri em vários concursos de privatização de empresas de capitais públicos;
  • Juiz do Tribunal de Contas Europeu, onde foi o primeiro português a assumir esse cargo;
  • Juiz Conselheiro do Tribunal de Contas;
  • Docente Universitário no ISEG, na UAL e no ISEM;
  • Relator de inúmeros Relatórios de auditoria sobre o SPE e as PPP.

 

O Dr. Carlos Moreno, que foi agraciado com a Grande Croix de L’Ordre de Mérite do Luxemburgo, é autor de várias dezenas de publicações abordando temas relacionados com as finanças públicas e, mais recentemente, conferencista assíduo em diversas audiências.

A conferência é seguida de jantar, pelas 21h, ao preço de 30€, por pessoa.

10 de Março, 3ª feira, pelas 18:30h
Lançamento de livro

Noite de fadosO Grémio Literário, em colaboração com o Consócio D. Tiago Henriques (Louriçal), promove o lançamento da obra intitulada “Sintra Lendária - Histórias e Lendas do Monte da Lua”, da autoria de Miguel Boim, editada pela Zéfiro, na ocasião representada pelo Dr. Alexandre Gabriel.

Para além do editor, participará nesta sessão o Dr. Basílio Horta, Presidente da Camara Municipal de Sintra, que fará a apresentação da obra.

Durante a sessão será projectado um conjunto de slides relativos às imagens insertas na referida obra que o autor comentará, provenientes do Arquivo da Casa de Louriçal, sendo na sua maioria inéditas e reveladas a expensas da Fundação CulturSintra, sendo esta a sua primeira apresentação pública.

Segundo o editor «Esta é a mais completa obra sobre as Lendas de Sintra, onde se contam mais de sessenta histórias e de trezentas fotografias e gravuras (algumas de importantes monumentos cujas velhas estruturas eram até aqui desconhecidas), várias delas inéditas.»

A sessão será seguida de jantar, ao preço de 30,00€ por pessoa.

18 de Março, 4ª feira, pelas 19:00h
Ciclo Literário - Conferência sobre a Revista Orpheu

O Grémio Literário participa nas comemorações nacionais do centenário da publicação da Revista Orpheu (1915), integrando a Comissão de Honra que organiza colóquios e outras manifestações em Portugal e no Brasil.

Pelo seu lado, o Grémio Literário reúne nas suas instalações (onde Almada Negreiros, seu sócio honorário, se estreou em 1912) três especialistas do Modernismo Português – os Professores Eduardo Lourenço, Eugénio Lisboa e José-Augusto França, seus colaboradores habituais, para uma conversa sobre o significado de Orpheu na Cultura Portuguesa.

A sessão será seguida de jantar ao preço de 30,00€ por pessoa.

19 de Março, 5ª feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Prossegue no próximo dia 19 de Março, com Vítor Bento, o novo ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema “Portugal pós-troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?“.

Vitor Bento costuma dizer que subiu na vida a pulso e que até aos 30 anos - e até ter um percurso consolidado -, entrou em tudo por concurso.

Nasceu em Estremoz, de uma família modesta. Viveu em Évora, Tomar e em Moçambique durante quatro anos, experiência que lhe “deixou marcas”. Aos 17 anos, estava em Lisboa, por sua conta, onde começou a trabalhar como empregado bancário. Trazia o antigo Curso Comercial e resolveu estudar à noite, fazendo o sexto e o sétimo ano do liceu.
Terminado o liceu, o desafio seguinte foi o curso de Economia, licenciando-se no Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, da Universidade Técnica de Lisboa. Mais tarde, faria o Mestrado em Filosofia pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

O seu currículo impressiona: em 1980 foi admitido no Banco de Portugal como economista, no Departamento de Estudos Económicos. Em 1985 assumiu o lugar de Director do Departamento de Estrangeiros e, mais tarde, de administrador executivo do Instituto Emissor de Macau (actual Autoridade Monetária), regressando ao Banco Central, em 1989, como diretor adjunto do Departamento de Estrangeiros, tornando-se Director em 1993.

Entre 1989 e 1994 foi membro do Subcomité de Política Cambial do Comité de Governadores dos Bancos Centrais da Comunidade Europeia. Em 1994, entrou para o Ministério das Finanças, onde assumiu os cargos de Director-geral do Tesouro, Presidente da Junta do Crédito Público e membro do Comité Monetário Europeu.

Em 1996, fundou o IGCP (Instituto de Gestão do Crédito Público), tornando-se o seu primeiro Presidente. Em 2000, assumiu o cargo de Presidente do Conselho de Administração da SIBS – Sociedade Interbancária de Serviços SA, onde se manteve até Julho de 2014, quando foi convidado para a presidência do Banco Espírito Santo.
Transitou, depois, para o cargo de Presidente do Conselho de Administração do Novo Banco, entidade que sucedeu ao BES. Em 13 de setembro de 2014, anunciou a intenção de renunciar aos cargos.

Foi ainda presidente da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES), entre Maio de 2006 e Abril de 2008, e membro do Conselho de Administração da GALP Energia, de Abril de 2012 a Julho de 2014.
Foi nomeado, em Dezembro de 2009, membro do Conselho de Estado pelo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. Renunciou ao mandato em Julho de 2014 mas voltou a ser nomeado por Cavaco Silva para o Conselho de Estado em Janeiro último.

Vítor Bento é professor convidado da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa.

Polémico, Vítor Bento interrogava-se, num recente ensaio, sobre a forma de conciliar a necessidade de ajustamento das finanças públicas de cada País com a necessidade de promover a procura interna no conjunto da zona euro, defendendo um maior orçamento federal, com capacidade de endividamento da própria União e a reconciliação de alguns excessos de endividamento público individuais com um endividamento globalmente sustentável de toda a zona euro. Preconizava, ainda, no mesmo trabalho a federalização dos subsídios de desemprego.
Vitor Bento tem obra publicada, com relevo para “Os Estados Nacionais e a Economia Global”, “ Perceber a Crise para Encontrar o Caminho” , “ O Nó Cego da Economia “, “ Economia, Moral e Política “ e, mais recentemente, “ Euro forte, Euro fraco - Duas culturas, uma moeda. Um convívio (im)possível? “.

É esta personalidade, frontal e de espírito independente, que estará na Sala da Biblioteca do Grémio para uma reflexão connosco em voz alta. A não perder.

O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

20 de Março, 6ª feira, das 16:00h ás 19:00h
Sessão Comemorativa do 2.º Centenário do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-2015)

O Grémio Literário, em parceria com o Instituto Dom João VI, vai organizar uma Sessão Comemorativa do 2.º Centenário do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves (1815-2015).
A sessão contará com as intervenções dos Presidentes das mencionadas Instituições organizadoras, e comunicações de ilustres Académicos de Portugal e do Brasil, nomeadamente o Professor Doutor Jorge de Miranda, Professor Doutor José Pedro Paiva, Professor Doutor Rui de Figueiredo Marcos, Eng.º Frederico Falcão, Professora Doutora Beatriz Maria Eckert-Hoff, Dr. Ronald Bicca, e o Dr. Ibsen Noronha.

9 de Abril, 5ª feira, pelas 18:30h
Ciclo de conferências sobre as relações luso-italianas 

Integrado no 5º ciclo de conferências sobre as relações luso-italianas, o Grémio Literário em colaboração com o Consócio D. Tiago Henriques (Louriçal) promove, na Biblioteca, uma sessão com a participação de Miguel Ribeiro Pedras, da FCSH-UNL, subordinada ao tema “Itália e o Arquivo da Casa de Louriçal: personagens e colecções num Arquivo de Família”. 
   
O 5º ciclo de conferências de relações luso-italianas Scrigni della memoria: Arquivos e Fundos Documentais para o Estudos das Relações Luso Italianas, organizado pela Prof. Doutora Nunziatella Alessandrini (CHAM) e a Dra. Susana Bastos Mateus (Cátedra A. Benveniste Universidade de Lisboa e CIDEHUS/UÉ), pretende regressar à matéria-prima para o estudo das relações luso-italianas: os arquivos e os fundos documentais. Foram privilegiadas as abordagens a arquivos privados pouco conhecidos e quase inexplorados para a temática em estudo, paralelamente aos riquíssimos fundos presentes nos arquivos nacionais italianos e portugueses.

Ao longo das diversas conferências propostas serão apresentados fundos e arquivos que podem suscitar novas e inéditas abordagens sobre as relações luso-italianas, numa diacronia que se estende desde o século XV até aos inícios do século XIX.

A conferência será seguida de jantar ao preço de 30€, por pessoa.

Abril

07 de Abril, 3ª feira, pelas 18:30h
Lançamento de livro

O Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Dr. Lúcio Rapaz, promove o lançamento da obra intitulada “A Gestão de 500.000.000€ – o Caso dos Jogos Sociais”, da sua autoria.

O livro conta com Prefácio do Antigo Provedor da SCML, Sr Padre Vitor Melicias e com o Posfácio do Antigo Administrador da SCML Sr Eng Manuel B. Afonso.

Inclui ainda este trabalho, a entrevista ao actual Director de Jogos da SCML, Dr Paes Afonso; a entrevista ao Director de Jogos da Estoril Sol, Dr Artur Mateus e a Entrevista ao Director da Eurosondagem SA.,  Sr Professor Rui Oliveira e Costa.

Apresentação do livro será efectuada pela Dra. Ana Filipa Nunes (Jornalista TVI / Pivot TVI24).
 

9 de Abril, 5ª feira, pelas 18:30h
Ciclo de conferências sobre as relações luso-italianas 

Integrado no 5º ciclo de conferências sobre as relações luso-italianas, o Grémio Literário em colaboração com o Consócio D. Tiago Henriques (Louriçal) promove, na Biblioteca, uma sessão com a participação de Miguel Ribeiro Pedras, da FCSH-UNL, subordinada ao tema “Itália e o Arquivo da Casa de Louriçal: personagens e colecções num Arquivo de Família”. 
   
O 5º ciclo de conferências de relações luso-italianas Scrigni della memoria: Arquivos e Fundos Documentais para o Estudos das Relações Luso Italianas, organizado pela Prof. Doutora Nunziatella Alessandrini (CHAM) e pela Dra. Susana Bastos Mateus (Cátedra A. Benveniste Universidade de Lisboa e CIDEHUS/UÉ), pretende regressar à matéria-prima para o estudo das relações luso-italianas: os arquivos e os fundos documentais. Foram privilegiadas as abordagens a arquivos privados pouco conhecidos e quase inexplorados para a temática em estudo, paralelamente aos riquíssimos fundos presentes nos arquivos nacionais italianos e portugueses.

Ao longo das diversas conferências propostas serão apresentados fundos e arquivos que podem suscitar novas e inéditas abordagens sobre as relações luso-italianas, numa diacronia que se estende desde o século XV até aos inícios do século XIX.

A conferência será seguida de jantar ao preço de 30€, por pessoa.

 

17 de Abril, 6ª feira, pelas 19:00h
Sessão Comemorativa do 169º Aniversário do Grémio Literário

Na data do 169º aniversário da aprovação dos Estatutos do Grémio Literário por carta Régia de Dona Maria II, vai realizar-se uma sessão comemorativa, na Biblioteca, durante a qual serão entregues o Prémio Grémio Literário 2014 e as menções honrosas, distinções atribuídas pelo respectivo Júri (Conselho Literário).

Prémio Grémio LiterárioO Prémio é constituído por uma escultura da autoria do consócio José de Guimarães, que graciosamente a ofereceu para o efeito, e pela quantia de 1.500,00€, generosamente doada pelo consócio Dr. Abdul Hamid Bangy.

Seguir-se-á uma homenagem ao realizador de cinema, recém-falecido, Manoel de Oliveira, preenchida com imagens de filmes da sua autoria, comentadas por João Paes.
Finda a sessão será servido um jantar, ao preço de 35,00€ por pessoa.

Atendendo à solenidade do acto, solicita-se o uso de fato escuro como trajo para os homens.

 

23 de Abril, 5ª feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Teodora CardosoProssegue no próximo dia 23 de Abril, tendo desta vez Teodora Cardoso como oradora convidada, o presente ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema - “Portugal pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Maria Teodora Osório Pereira Cardoso nasceu em Estremoz, mas veio para Lisboa ainda criança. Tendo feito o ensino secundário no Liceu Filipa de Vilhena e, depois do 5º ano, no Pedro Nunes, a escolha pela Economia revelou-se naturalmente, por efeito do seu gosto pela independência e pelo rigor - que no terreno desta especialidade se traduz de modo especial na disciplina da matemática, outra das suas paixões de sempre.

A conjunção destes fatores explica uma carreira sólida, em que foi por diversas vezes a primeira mulher a exercer determinadas funções, sempre chamada e escolhida como a melhor solução indicada para os problemas que se apresentavam. O facto de ter investido no domínio da língua inglesa, frequentando o Instituto Britânico quando era ainda estudante no ISCEF, abriu-lhe um mundo novo na área da Literatura, mas as consequências profissionais vieram mais tarde, como contou numa entrevista ao Jornal de Negócios: depois do 25 de Abril, o facto de se ter tornado bilingue foi utilíssimo nas negociações internacionais, além de lhe ter dado um acesso profissional muito seguro a toda a mais recente literatura especializada no seu ramo. Como disse então: “Uma pessoa tem que fazer as suas escolhas. Eu sempre tive jeito para estudar, gostava de estudar.”

Logo depois da sua licenciatura em Economia, pelo então Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, teve o primeiro trabalho num centro de investigação da Fundação Calouste Gulbenkian, sobre a aplicação dos métodos quantitativos em Economia.

Entre 1970 e 1973 participou na elaboração e acompanhamento dos Planos de Fomento no Ministério das Obras Públicas, mantendo uma atividade docente no Instituto Superior de Economia, como Assistente de Teoria Económica, Estatística e Investigação Operacional.

A partir de Março de 1973 inicia uma carreira sempre ascendente no Banco de Portugal, cuja descrição não caberia no espaço desta apresentação. Sublinhe-se a sua qualidade de economista do Departamento de Estatística e Estudos Económicos, onde assumiu funções de Coordenadora do Núcleo de Economia Monetária entre 1978 e 1983 e de Diretora do Departamento entre 1985 e 1990 além de Consultora da Administração entre 1984 e 1985, anos em que também chefiou o Grupo Técnico de Negociação dos acordos de estabilização com o Fundo Monetário Internacional.

Entre 1990 e 1992 representou o Banco de Portugal (na especialidade de Política Monetária) no Comité de Governadores da Comunidade Europeia, bem como na Conferência de representantes dos Ministros das Finanças encarregada de redigir a Proposta de Tratado da União Europeia (o Tratado de Maastricht). Entre Junho de 2008 e Fevereiro de 2012 foi membro do Conselho de Administração do Banco de Portugal. Presidiu também ao Conselho Diretivo da FLAD e é desde Fevereiro de 2012, Presidente do Conselho Superior do Conselho das Finanças Publicas.

À questão, que certamente lhe terá sido posta muitas vezes, sobre a disponibilidade para um cargo político elevado, Teodora Cardoso tem respondido sempre que não, invocando decididamente, acima dos constrangimentos do compromisso partidário, a sua lealdade primeira à independência pessoal e profissional.


É esta personalidade que aceitou estar connosco no próximo jantar-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, no dia 23 de Abril, sob o tema deste ciclo - “Portugal pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

 

29 de Abril, 4ª feira, pelas 19:00h
Ciclo Literário

Diálogo entre o autor e o críticoIntegrado no Ciclo de Literatura Portuguesa, organizado pelo Consócio Dr. António Aires Gonçalves, iniciado com Sophia de Mello Breyner, e que contou com as participações de David Mourão-Ferreira, Vasco Graça Moura, José Saramago, Urbano Tavares Rodrigues, Agustina Bessa Luís, A. Lobo Antunes, Mário Cláudio, Gonçalo T. Tavares, entre outros, vai realizar-se, na Biblioteca, uma sessão dedicada ao escritor José-Augusto França a propósito da publicação do seu novo livro “Diálogo entre o Autor e o Crítico”, prefaciado por Helder
Macedo, em que se revisita a sua obra de ficção com quinze títulos publicados.

O autor será apresentado pelo romancista e Professor Ernesto Rodrigues, com a colaboração da Editorial Presença, editora da maior parte dos romances do autor e desta última obra.
 
A conferência será seguida de jantar ao preço de 30€, por pessoa.

 

Maio

06 de Maio, 4ª feira, às 18:30h
Conferência “Eça de Queirós e a Abertura do Canal do Suez”

Conferência Eça de QueirósO Grémio Literário promove uma palestra subordinada ao tema “Eça de Queirós e a Abertura do Canal do Suez”, sendo oradora a Consócia Professora Doutora Teresa Pinto Coelho, Professora Catedrática da Universidade Nova de Lisboa, membro do Conselho Científico da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC).

É autora de vários livros e artigos em Portugal e no estrangeiro, sobretudo, sobre relações políticas e culturais luso-britânicas, literatura inglesa da Era Vitoriana, literatura de viagens, Eça de Queirós, Jaime Batalha Reis e a Inglaterra e também sobre literatura pós-colonial de expressão inglesa.

 

Subordinada ao tema “Eça de Queirós e a Abertura do Canal do Suez”, a palestra que vai apresentar, estuda a viagem que o jovem Eça de Queirós fez ao Egipto em 1869 para assistir às festividades da abertura do Canal. Em Janeiro de 1870 Eça publicou no Diário de Notícias quatro artigos sobre as cerimónias de abertura do Canal.
Os seus apontamentos de viagem, foram publicados em 1826 pelo seu filho José Maria num volume intitulado O Egipto. Notas de Viagem.

Coloridos, vibrantes, pictóricos os apontamentos queirosianos inserem-se, como se verá, numa tradição de livros de viagem dedicados ao Oriente, encontram eco na pintura orientalista da época (da qual serão mostrados exemplos) e têm ainda por pano de fundo imagens da Bíblia e das Mil e Uma Noites.

A conferência será seguida de jantar ao preço de 30€, por pessoa.

VIAGENS

Viagem EscóciaAs viagens promovidas em anos anteriores pelo Grémio Literário e organizadas em colaboração com o consócio Dr. Rui Nobre, têm-se revestido de inequívoco interesse cultural.

Seguindo a mesma linha de orientação, o Grémio Literário relembra que:

De 21 a 27 de Junho, realizar-se-á a viagem “A Escócia de William Wallace e os Stuarts”, também com o acompanhamento do Professor Dr. João Paulo Oliveira e Costa.
Nesta viagem visitar-se–ão, entre outros locais, Hexham, Edimburgo, Stirling, Glasgow e Inverness.

As inscrições estão abertas junto dos serviços da Agência de Viagens Cosmos - Viagens e Turismo, SA.

Para mais informações:
Rui Nobre | Travel Consultant | M: +351 912 177 352/ 918 954 031 | Rui.nobre@cosmos-viagens.pt

 

06 de Maio, 4ª feira, às 18:30h
Conferência “Eça de Queirós e a Abertura do Canal do Suez”

O Grémio Literário promove uma palestra subordinada ao tema “Eça de Queirós e a Abertura do Canal do Suez”, sendo oradora a Consócia Professora Doutora Teresa Pinto Coelho, Professora Catedrática da Universidade Nova de Lisboa, membro do Conselho Científico da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC).

É autora de vários livros e artigos em Portugal e no estrangeiro, sobretudo, sobre relações políticas e culturais luso-britânicas, literatura inglesa da Era Vitoriana, literatura de viagens, Eça de Queirós, Jaime Batalha Reis e a Inglaterra e também sobre literatura pós-colonial de expressão inglesa.

Conferência Eça QueirósSubordinada ao tema “Eça de Queirós e a Abertura do Canal do Suez”, a palestra que vai apresentar, estuda a viagem que o jovem Eça de Queirós fez ao Egipto em 1869 para assistir às festividades da abertura do Canal. Em Janeiro de 1870 Eça publicou no Diário de Notícias quatro artigos sobre as cerimónias de abertura do Canal.

Os seus apontamentos de viagem, foram publicados em 1826 pelo seu filho José Maria num volume intitulado O Egipto. Notas de Viagem.

Coloridos, vibrantes, pictóricos os apontamentos queirosianos inserem-se, como se verá, numa tradição de livros de viagem dedicados ao Oriente, encontram eco na pintura orientalista da época (da qual serão mostrados exemplos) e têm ainda por pano de fundo imagens da Bíblia e das Mil e Uma Noites.

A conferência será seguida de jantar ao preço de 30€ por pessoa.

 

08 de Maio, 6ª feira, pelas 14:30
Conferência “O Chiado e as Artes na Esfera Pública de 2015”

O projecto O Chiado e as Artes na Esfera Pública de 2015 consiste numa reflexão e numa produção artística sobre dois fenómenos essenciais relacionados com as imagens em movimento, a saber, a invenção do Cinématographe e a última expressão da Arte Pública: o Videomapping.

Tudo ocorrerá a partir do próximo 8 de Maio, às 14:30, com um Ciclo de Conferências no Grémio Literário, depois, às 18:00, no Museu Arqueológico do Carmo, com a apresentação de dois filmes inéditos sobre o Chiado e o Cinema, e a exposição de peças de arte atinentes aos temas deste ano.

Cinco dias depois, no dia 13 de Maio, na Cité Universitaire, Paris, teremos um programa em tudo similar, com a diferença de vários conferencistas serem franceses, nomeadamente especialistas ligados ao cinema e à teoria da imagem em movimento das Universidades da Sorbonne (Paris) e de Lille.

 

14 de Maio, 5ª feira, pelas 18:30h
Ciclo de conferências sobre as relações luso-italianas 

Conferências Luso-ItalianasIntegrado no 5º ciclo de conferências sobre as relações luso-italianas, o Grémio Literário em colaboração com o Consócio D. Tiago Henriques (Louriçal) promove na Biblioteca, uma sessão que terá como orador o Dr. Luiz Saldanha Lopes (C. M. Mafra / Irmandade do SS.mo Mafra), subordinada ao tema "Arquivo Histórico da Irmandade: Os Livros de Assentos da Ordem Terceira de S. Francisco de Mafra”.
   
O 5º ciclo de conferências de relações luso-italianas Scrigni della memoria: Arquivos e Fundos Documentais para o Estudos das Relações Luso Italianas, organizado pela Prof. Doutora Nunziatella Alessandrini (CHAM) e pela Dra. Susana Bastos Mateus (Cátedra A. Benveniste Universidade de Lisboa e CIDEHUS/UÉ), pretende regressar à matéria-prima para o estudo das relações luso-italianas: os arquivos e os fundos documentais. Foram privilegiadas as abordagens a arquivos privados pouco conhecidos e quase inexplorados para a temática em estudo, paralelamente aos riquíssimos fundos presentes nos arquivos nacionais italianos e portugueses.

Ao longo das diversas conferências propostas serão apresentados fundos e arquivos que podem suscitar novas e inéditas abordagens sobre as relações luso-italianas, numa diacronia que se estende desde o século XV até aos inícios do século XIX.

A conferência será seguida de jantar ao preço de 30€ por pessoa.

 

21 de Maio, 5ª feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Prossegue no próximo dia 21, com Paulo de Macedo, o novo ciclo de jantares- debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema “Portugal pós-troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?

Reconhecido pelo seu rigor e frontalidade, o actual ministro da Saúde aceitou participar neste fórum, que tem vindo a decorrer na Sala da Biblioteca do Grémio.

Paulo de MacedoNascido em Lisboa, Paulo de Macedo fez a sua primeira formação académica com uma licenciatura em Organização e Gestão de Empresas no ISEG – Instituto Superior de Economia e Gestão, concluída em 1986. Iniciou imediatamente funções de docência universitária, como assistente no mesmo Instituto. Foi também, mais tarde, docente no MBA da AESE – Escola de Direcção e Negócios, onde concluiu, em 2001, o Programa de Alta Direcção de Empresas. Leccionou ainda nas Pós-Graduações em Fiscalidade do Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais, e em Gestão Fiscal e Gestão de Bancos e Seguradoras do ISEG.

Fora do meio académico, iniciou actividade profissional na divisão de Consultoria Fiscal da empresa Arthur Andersen (que em 2002, em Portugal e outros países europeus, fundiu actividades com a Deloitte).

A partir de 1993 encontra-se no Banco Comercial Português, principiando uma carreira que o levará aos cargos de Director e Administrador em vários departamentos e empresas do grupo. Por se relacionar com a mesma área em que neste momento exerce funções governativas, mencionaremos especialmente o lugar de Administrador da Companhia  Portuguesa de Saúde Médis, que ocupou entre 2001 e 2004.

Mais recentemente, entre 2008 e 2011, foi Vice-Presidente do Conselho de Administração Executivo do BCP e ainda membro do Conselho de Supervisão do Bank Millenium (Polónia); entre 2010 e 2011, foi Vogal do Conselho de Supervisão da Euronext.

Esta carreira foi interrompida por três anos quando, em 2004, a convite da então Ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, aceitou ser requisitado para as funções de Director-Geral dos Impostos e Presidente do Conselho de Administração Fiscal. Em 2007, e por vontade própria, solicitou ao XVII Governo Constitucional (de maioria PS) que não renovasse a requisição, regressando ao Banco Comercial Português.

A sua segunda incursão no território dos cargos de maior responsabilidade e exposição política está em pleno desenvolvimento desde 2011, quando aceitou ocupar o lugar delicado cargo de Ministro da Saúde.

Homem de personalidade discreta, com uma formação académica mais voltada para as noções da eficácia e do desempenho, Paulo de Macedo encontra-se hoje no espaço em que convergem todos os debates sobre a natureza do serviço público e a sustentabilidade do Estado Social. É conhecido por não procurar o conflito, mas também por não o recusar quando inevitável.
É da sua experiência e da sua visão que aguardamos, com a melhor expectativa, este contributo pessoal que solicitámos para continuar e enriquecer a nossa reflexão colectiva sobre “Portugal Pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”.

Uma reflexão em directo a não perder. O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

 

PINTURA iniciação | Workshop de média duração

Workshop de pinturaDe 14 de Maio a 22 de Junho decorrerá o primeiro workshop de pintura no Grémio Literário. Este workshop destina-se a todos os que pretendam estrear-se na técnica da pintura ou reciclar conhecimentos já adquiridos. Não são necessários conhecimentos de desenho.

Durante as 12 sessões serão facultados aos participantes os conhecimentos técnicos e as suas aplicações, bem como as bases teóricas, que lhes permitirão iniciar o seu percurso na pintura.

No decorrer das sessões será seguida uma programação de exercícios orientados, muitas vezes fundamentados na observação e interpretação do trabalho de artistas relevantes da história da Pintura.

Partindo destes exercícios, os participantes serão encorajados a fazer as suas próprias escolhas plásticas.

As inscrições estão abertas até 8 de Maio, para duas turmas:
Turma A (2ªF e 5ªF / 15:30 às 17:30 horas) e  
Turma B  (2ªF e 5ªF / 18:00 às 20:00 horas).

O Workshop destina-se exclusivamente a sócios do Grémio Literário, familiares e convidados.

Formador: Ana Neves Guerreiro | Datas: 14 Maio – 22 Junho (12 sessões) | Preço: 230 Euros, acrescido de IVA| Vagas: Máximo 12 participantes / mínimo 5 | Local: Galeria do jardim - Grémio Literário

Ana Neves Guerreiro nasceu em Faro em 1974 e trabalha em Lisboa. Licenciada pela Faculdade de Arquitectura de Lisboa e formação artística complementar pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, Sociedade de Belas Artes e AR.CO. Desde 2004 dedica-se à pintura e desenho e expõe o seu trabalho em diversos espaços e galerias em Portugal, Espanha e Inglaterra. Paralelamente à actividade artística dedica-se à produção cultural e formação pontual.

Junho

15 e 17 de Junho, 2ª e 4ª feira, pelas 18:30

O consócio Arq. Pedro Ravara, organiza um Workshop sobre a reconstrução da Baixa Pombalina, com o título “RETHINKING PUBLIC SPACE [Post earthquake ground for speculation]”.   

O workshop, destinado a estudantes de arquitectura canadianos – de uma Universidade de Toronto -, e portugueses – da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa -, decorrerá no Grémio Literário entre os dias 15 e 19 de Junho/2015, realizando-se duas conferências, em inglês, onde os sócios poderão participar.

1ª conferência – Segunda-feira, dia 15 pelas 18h30m, na Biblioteca com os seguintes oradores:
                        Arq. Gonçalo Byrne – sobre a Baixa Pombalina
Arq. João Luis Carrilho da Graça – sobre a Cidade

2ª conferência – Quarta-feira, dia 17 pelas 18h30m - Jam Session, na Biblioteca:
Cada arquitecto apresentará temas sobre o seu trabalho profissional em sessões curtas de 10/15 minutos.
Esta conferência contará com a presença dos Aquitectos Pedro Ravara, Nuno Mateus, Pedro Pacheco, Pedro Reis e Nuno Arenga.

 

25 de Junho, 5ª feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Portugal pós - Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?”

Prossegue no próximo dia 25, tendo Carlos Moedas como orador convidado, o ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, subordinado ao tema “Portugal pós-troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?“.
Nascido em Beja, em 1970, há quem considere que a vida de Carlos Manuel Félix Moedas dava um livro. Passou a infância no Alentejo e veio fazer os seus estudos universitários no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, onde se licenciou em Engenharia Civil em 1993.
À semelhança de muitos jovens da sua geração, o Programa Erasmus, que cumpriu em Paris, abriu-lhe as portas da Europa e do Mundo. Esse último ano de estudos já fora feito na École Nationale des Ponts et Chaussées e o primeiro emprego é no Grupo Lyonnaise des Eaux, onde projectava estações de tratamento de águas.
Trabalhou em Paris até 1998, onde conheceu e veio a casar com a sua mulher, Céline, hoje docente universitária.
Desde sempre um estudante muito dedicado, decidiu realizar o mestrado numa escola de topo, tendo sido aceite na Harvard Business School, nos EUA, onde obteve o MBA em 2000. Guarda boas recordações desses dois anos intensos, onde compensava as horas de estudo com jantares confeccionados e partilhados com os colegas, portugueses ou de outras nacionalidades.

Daí para a frente foi outro território. Acabou por ir trabalhar mais dois anos, desta vez, no ramo de fusões e aquisições na filial da Goldman Sachs em Londres. Mudou, depois, para o Eurohypo Investment Bank (Grupo Deutsche Bank), especializado em aconselhamento imobiliário e operações de dívida estruturada.
Carlos Moedas voltou a Portugal em 2004, integrando a imobiliária Aguirre & Newmann, de que veio a ser director-geral. Em 2008, criou a empresa de gestão de investimentos Crimson Investment Management, representando em Portugal o Grupo Carlyle.
Filho de um jornalista co-fundador do “Diário do Alentejo”, José Moedas, militante comunista, Carlos Moedas não seguiu a linha ideológica paterna, mas também não foi militante de qualquer outra formação política até 2010, quando apareceu no PSD, como coordenador do sector económico do Gabinete de Estudos. Mais tarde integrou a equipa liderada por Eduardo Catroga, participando na preparação do Orçamento de Estado de 2011. Foi, depois, um activo protagonista nas negociações com a delegação da Troika.
Nas eleições legislativas de 2011 foi eleito deputado pelo Distrito de Beja, vindo a ser secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho.
Desde Setembro do ano passado, é o Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação.
Personalidade diplomática, temperada desde cedo no convívio internacional, Carlos Moedas aceitou o convite para intervir no ciclo de jantares-debate, promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, "Portugal pós-Troika: que Moeda, que Economia, que Futuro?". Uma reflexão em directo a não perder.
O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

 

26 de Junho, 6ª feira, pelas 20:30h
Jantar dos Santos Populares – Orquestra de Jazz “Lisbon Swingers”

Estimulados pelo êxito dos anos anteriores, realizar-se-á no dia 26 de Junho, um jantar no jardim, animado pela orquestra de jazz “Lisbon Swingers”. A banda, com cerca de 20 elementos, está voltada para a interpretação dos grandes temas de jazz, nomeadamente dos clássicos americanos da era do swing. Os seus gostos são ecléticos mas procuram, frequentemente, aproximar-se do som típico de orquestras conhecidas como as de Count Basie ou de Duke Ellington.

Caso se verifiquem condições meteorológicas adversas, o evento realizar-se-á no interior do Grémio Literário.

O preço do jantar é de 45€ por pessoa.

 

02 de Julho, 5ª feira, pelas 18:30h
Homenagem a Sir Winston Churchill seguida de jantar de gala

O Grémio Literário e o The Royal British Club, promovem no próximo dia 2 de Julho, pelas 18h30, uma homenagem a Sir Winston Churchill, por ocasião da passagem do quinquagésimo aniversário da sua morte, cujo programa é o seguinte:

18h30m – conferencia na Biblioteca pela conservadora da Chartwell House, Katherine Barnett.

19h30m – Recepção

20h00m – Jantar

Durante o jantar falarão S. E. Kirsty Hayes, Embaixadora do Reino Unido, o Prof. Doutor João Carlos Espada, Presidente da The International Churchill Society of Portugal e o Dr. Francisco Pinto Balsemão, ex-Primeiro Ministro de Portugal, Presidente do Grupo Impresa, sócio do Grémio Literário e do the Royal British Club.

Solicita-se o uso de smoking ou fato escuro para os homens.

O preço do jantar é de 40,00€ para sócios e de 50,00€ para os seus convidados.

Solicita-se a marcação do jantar, até dia 25 de Junho de 2015.

 

Julho

02 de Julho, 5ª feira, pelas 18:30h
Homenagem a Sir Winston Churchill seguida de jantar de gala

O Grémio Literário e o The Royal British Club, promovem no próximo dia 2 de Julho, pelas 18h30, uma homenagem a Sir Winston Churchill, por ocasião da passagem do quinquagésimo aniversário da sua morte, cujo programa é o seguinte:

18h30m – conferencia na Biblioteca pela conservadora da Chartwell House, Katherine Barnett.

19h30m – Recepção

20h00m – Jantar

Durante o jantar falarão S. E. Kirsty Hayes, Embaixadora do Reino Unido, o Prof. Doutor João Carlos Espada, Presidente da The International Churchill Society of Portugal e o Dr. Francisco Pinto Balsemão, ex-Primeiro Ministro de Portugal, Presidente do Grupo Impresa, sócio do Grémio Literário e do the Royal British Club.

Setembro

18 de Setembro, 6ª feira, pelas 18:30h
Lançamento de livro

O Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Dr. Manuel Pechirra, promove o lançamento do livro da autoria do Dr. José Maria Neves, Primeiro-Ministro de Cabo Verde, intitulado “Cabo Verde: Gestão das Impossibilidades".
 A obra será apresentada pelo Dr. Guilherme d’Oliveira Martins e pelo Dr. Manuel Alegre, que fará algumas considerações sobre o autor e sobre Amílcar Cabral, figura homenageada no livro.
No final será servido um Porto de Honra.

Homenagem a Maria Carlota Machado Mendes

Um grupo de amigos de Maria Carlota Machado Mendes, falecida em Março p.p., e que foi Directora desta Casa, organiza um jantar de homenagem, no Grémio Literário, no dia 24 de Setembro, 5ª feira, pelas 20:30.
O jantar, em que todos serão benvindos, terá música, como era do seu agrado.
Sugere-se fato comprido para as senhoras e fato escuro para os homens.
O preço é de 45,00€ p.p.

Ciclo de Conferências sobre Ramalho Ortigão
30 de Setembro, 4ª feira, pelas 19:00h

Folhetinista? Analista e crítico de costumes? Especialista em literatura de viagens? Conhecedor íntimo da literatura do seu País? Descobridor e propagandista das riquezas naturais, desde as praias às termas? Dominador de uma linguagem ágil e, ao mesmo tempo, rigorosa? Humorista com agudo sentido de sátira? Co-introdutor em Portugal de narrativas de pendor policial? Tradutor? A “Ramalhal figura” seria possivelmente um somatório de tudo isto – e mais alguma coisa. Alguém o tentou definir como um “repórter de génio”. Sem dúvida que o seria. Mas tal qualificação assentava-lhe como um fato apertado…
O Gabinete de Estudos Olisiponenses (GEO) da Câmara Municipal de Lisboa com a participação do Grémio Literário, vai promover um ciclo de conferências integradas nas comemorações do centenário da morte de Ramalho Ortigão. Integrada  nesse  ciclo  realiza-se  na  Biblioteca  do Grémio  Literário,  na  4ª feira, 30 de Setembro,  pelas 19:00h  uma conferência com o Título “Apenas” Um Repórter de Génio, sendo orador o jornalista e olisipógrafo Appio Sottomayor.

O conferencista trabalhou durante 36 anos no jornal “A Capital” onde ocupou diversos cargos nomeadamente o de redactor principal e exerceu funções de director da Agência Notícias de Portugal.

Na sua actividade jornalística Appio Sotto Mayor dedicou especial atenção a Lisboa, procurando estudar e divulgar muitos aspectos da cidade.

O conferencista reuniu e adaptou vários escritos que deram origem aos livros: "O Poço da Cidade" (dois volumes), "Lisboa d'outros tempos" e "Lisboa de Santo António".

Pelo trabalho jornalístico e literário em prol de Lisboa, foi-lhe atribuído o prémio Júlio César Machado e o prémio Júlio de Castilho.

No dia 14 de Outubro, 4ª feira, pelas 19:00h realiza-se outra conferência sob o título “Cebolas feias, lindas mãozinhas” O Pensamento Estético de Ramalho Ortigão, sendo oradora Maria João Ortigão (FBAUL).

As sessões serão seguidas de jantar ao preço de 30,00€ por pessoa.

 

Outubro

 

7 de Outubro, 4ª feira, pelas 18:30h
Lançamento de livro

O Grémio Literário e a editora Assírio & Alvim promovem o lançamento do livro “ALMADA: OS PAINÉIS, A GEOMETRIA E TUDO. As entrevistas com ANTÓNIO VALDEMAR”.

A apresentação será feita por Eduardo Lourenço, com a presença do autor.

 

8 de Outubro, 5ª feira, pelas 18:30h
Conferência “O 2º Visconde de Santarém e o Grémio Literário: relação com alguns dos sócios fundadores” 

O Grémio Literário em colaboração com o Consócio D. Tiago Henriques (Louriçal) promove, na Biblioteca, uma conferência subordinada ao tema “O 2º Visconde de Santarém e o Grémio Literário: relação com alguns dos sócios fundadores”, sendo conferencista  Daniel Estudante Protásio, Doutor em História Institucional e Política Contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa e Mestre em História Contemporânea pela Universidade de Coimbra.

O Visconde de Santarém, historiador, diplomata e estadista, foi uma das mais odiadas figuras miguelistas, tal sucedendo ao arrepio da sua moderação ideológica e legalismo diplomático. Quando o Grémio Literário foi fundado, em 1846 e até à morte do Visconde, dez anos depois, este historiador conhecia várias figuras de sócios fundadores, polemizara com outras tantas e dois dos sócios vão mesmo ser encarregues de continuar a publicação póstuma das suas obras. Falta explicar porque não foi o Visconde sócio fundador do Grémio Literário… 

Durante a palestra ocorrerá também uma breve apresentação do livro Pensamento histórico e acção política do 2º Visconde de Santarém (1809-1855), da autoria do conferencista, e que constitui a primeira obra de síntese escrita sobre o Visconde de Santarém, desde 1909.

O conferencista é bolseiro de Pós-Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia, Investigador Integrado do CEIS20 (Universidade de Coimbra) e Investigador Associado do Centro de História da Universidade de Lisboa. 

A sessão será seguida de jantar ao preço de 30,00€ por pessoa.

 

12 de Outubro, 2ª feira, pelas 13:00h
Almoço com o Dr. José Manuel Durão Barroso

O Dr. José Manuel Durão Barroso, Sócio Honorário do Grémio Literário, almoça nesta Casa, no dia 12 deste mês, disponibilizando-se para falar da sua experiência como Presidente da Comissão Europeia, e responder a algumas questões que lhe venham a ser colocadas.

O número de lugares é limitado, pelo que solicitamos aos interessados que procedam á respectiva inscrição com brevidade, através dos serviços de Secretaria.

O preço do almoço é de 30,00€ por pessoa.

 

13 de Outubro, 3ª feira, pelas 18:30h
Conferência sobre Eugénio de Andrade

O Grémio Literário em colaboração com o Instituto Cervantes pomove a apresentação da recente edição espanhola de Blancura, uma antologia em trinta e quatro poemas de Eugénio de Andrade, um dos maiores poetas portugueses do século XX.

A apresentação está a cargo de Miguel Losada, antólogo e tradutor da obra.

A edição pretende oferecer uma síntese capaz de refletir o processo de desprendimento vital e poético de Andrade e mostrar na plenitude a matéria solar com a qual foi confecionanda a sua escrita, que lhe fez ganhar o justo renome de “poeta da luz”.

Natural de Vigo, Miguel Losada estudou na Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM) e na Sorbona, em Paris, doutorando-se em Filología Hispánica pela Complutense de Madrid. Sucedeu ao poeta Celso Emilio Ferreiro dirigindo a Cátedra de Estudos Galegos do Ateneo de Madrid, onde foi diretor da sua Biblioteca.

 

14 de Outubro, 4ª feira, pelas 19:00h
Ciclo de Conferências sobre Ramalho Ortigão

Integrado no ciclo de conferências promovidas pelo Gabinete de Estudos Olisiponenses (GEO) da Câmara Municipal de Lisboa com a participação do Grémio Literário, no âmbito das comemorações do centenário da morte de Ramalho Ortigão, vai realizar-se a segunda sessão com o título “Cebolas feias lindas mãozinhas” O Pensamento Estético de Ramalho Ortigão, sendo oradora Maria João Ortigão.

Trata-se de dar a ver a importância do pensamento artístico na obra de Ramalho Ortigão.
 
A Carta a Anatolio Calmels constitui um documento fundamental para a reflexão estética em Portugal no final do século XIX.
Jogar-se-á então em vários tabuleiros, fazendo emergir a polivalência do discurso ramalheano, que envolve a história da arte, a pintura, a crítica, mas também a ironia, a desenvoltura, o saber, o gosto e o estilo inimitável. 

Maria João Lello Ortigão de Oliveira é licenciada em Filosofia pela Universidade do Porto, mestre em História da Arte pela Universidade Nova de Lisboa e doutorada em Ciências da Arte pela Universidade de Lisboa. Actualmente exerce funções docentes na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, nas licenciaturas de Pintura, Escultura, Ciências da Arte e do Património e Arte Multimédia, no Mestrado de Teorias da Arte e no curso de Doutoramento da mesma Faculdade.

As suas principais publicações são:

  • “O essencial sobre Ramalho Ortigão”, INCM, Lisboa, 1989, (colecção O essencial, nº39).
  • “O Pesadelo”, contos, Grifo editora, Lisboa, 1997.
  • “O Paraíso Invisível”, novela, Grifo editora, Lisboa, 1999, tradução alemã, edition Tranvia, Berlin, 1997.
  • “Aurélia de Sousa em contexto, a cultura artística no fim de século”, ensaio, INCM, Lisboa, 2006.Menção   Honrosa Prémio Grémio Literário, 2007

A sessão será seguida de jantar ao preço de 30,00€ por pessoa.

 

22 de Outubro, 5ª feira, pelas 18:00h
Ciclo de encontros em homenagem a José Mariano Gago.

Integrada no ciclo de encontros em homenagem a José Mariano Gago, no âmbito dos 70 anos do Centro Nacional de Cultura, esta Instituição organiza uma sessão, na Biblioteca do Grémio Literário, subordinada ao tema “CIÊNCIA, Portugal e a Europa: o CERN e a integração europeia”.

São Conferencistas:
Jean Pierre Contzen, Academia das Ciência da Bélgica e Von Karman Institute
Herwig Schopper, Antigo Director Geral do CERN

Intervêm na discussão:
Francisco Seixas da Costa, Embaixador
Eduardo Arantes e Oliveira, Academia das Ciências de Lisboa
Jorge Romão, Instituto Superior Técnico
Gaspar Barreira, LIP

Novembro

11 de Novembro, 4ª feira, pelas 20:30h
Jantar de São Martinho

O Grémio Literário vai assinalar a noite de S. Martinho com a realização de uma noite de fados, durante a qual será servido um jantar de caça.

A noite será animada pelos artistas:

Fadista: Teresinha Landeiro
Guitarra: Pedro de Castro
Viola: Pedro Saltão

O preço do jantar é de 45,00€ por pessoa.

 

19 de Novembro, 5ª feira, pelas 20:00h
Jantar/debate – Ciclo “Que Portugal queremos ser, que Portugal vamos ter?”

Inicia-se no próximo dia 19 de Novembro o terceiro ciclo de jantares-debate promovido pelo Clube Português de Imprensa em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, agora subordinado ao tema “Que Portugal queremos ser, que Portugal vamos ter?”, tendo Manuel Sobrinho Simões como orador convidado.

Cientista, médico e professor, Manuel Sobrinho Simões é uma personalidade destacada e com um prestígio invulgar, quer em Portugal, quer no estrangeiro, com obra feita na investigação de vários tipos de cancro e toda uma carreira de docente universitário e impulsionador da pesquisa mais avançada no campo da imunologia molecular e celular.

Ele mesmo filho de um médico, professor e investigador, nasceu no Porto, em 1947, e foi nesta cidade que fez os seus estudos e o essencial do seu percurso profissional, que depois se projectou no reconhecimento internacional e no trabalho com Universidades e centros de investigação de outros países.

Estudou primeiro no Liceu Alexandre Herculano e na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, terminando a sua licenciatura em 1971, com dezanove valores. No ano seguinte já era  Assistente de  Anatomia  Patológica  na mesma Faculdade, cargo que ocupou até Setembro de 1974. Cinco anos mais tarde doutorou-se em Patologia, com uma dissertação sobre o Carcinoma Oculto da Tiróide e um trabalho complementar sobre a doença de Hodgkin.

O pós-doutoramento foi feito em Oslo, sobre o tema da Microscopia Electrónica. Prosseguiu a sua carreira docente na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, sendo, também, chamado a colaborar com outras Universidades e centros de investigação da sua especialidade, nos Estados Unidos, na Noruega e na Alemanha.

Em 1989 criou o Instituto de Patologia e Imunologia Molecular e Celular da Universidade do Porto (IPATIMUP),  classificado como excelente na última avaliação internacional promovida pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), e um dos três laboratórios europeus acreditados pelo Colégio Americano de Patologistas.  Esta unidade realiza, anualmente, centenas de consultas de diagnóstico para hospitais e institutos de oncologia da Europa e da América.
É autor de centenas de artigos sobre as matérias que domina, em publicações científicas de todo o mundo.

Recebeu ao longo da sua carreira diversos prémios nacionais e internacionais. Entre os mais relevantes, o Prémio Bordalo, de 1996, atribuído ao seu Grupo de Investigação, o Prémio Seiva, em 2002 e o Prémio Pessoa, também em 2002. Em 2004 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

De opinião frontal, Manuel Sobrinho Simões referia ainda numa recente entrevista que “tem de se apostar na educação. E dar importância ao trabalho. Desqualificámos muito o trabalho (…)  o que é trágico. Vou muito à Noruega e eles adoram o trabalho, o trabalho é muito respeitado. E não trabalham mais do que nós”.

É esta personalidade fascinante que teremos o privilégio de ouvir na sala da Biblioteca do Grémio Literário, num   jantar-debate que promete uma  reflexão e participação alargadas. 

O preço do jantar é de 30€ por pessoa.

 

20 de Novembro, 6ª feira, pelas 18:30h
“A Grande Luiza Todi” - Sessão Musical

Em homenagem a Luiza Todi (1753-1833), surpreendente artista portuguesa, internacionalmente celebrada como a maior cantora lírica do seu tempo, João Paes, antigo director do Teatro Nacional de S. Carlos, apresentará um concerto em que participam a soprano Sandra Medeiros e o pianista Francisco Sassetti.

Luiza Todi, durante a trintena de anos da sua carreira, foi disputada pelos principais teatros de ópera da Europa, onde a sua presença foi celebrada por audiências entusiasmadas e comparada, por críticos ilustres, aos vultos geniais de outros domínios – da História e da Arte. Um espanhol colocou-a lado a lado com os grandes descobridores portugueses e o seu mais genial cantor (poeta), Luiz de Camões. Um italiano pô-la nos píncaros da fama, junta a Michelangelo e Rafael. Portugal de D. Maria I (a rainha-louca) só a chamou para participar nos festejos religiosos dedicados ao nascimento de uma Infanta (Maria Teresa).

O tempo da Todi foi o dos Grandes Imperadores do Absolutismo: Frederico II, o Grande (da Prússia) convidou-a três vezes – e só a ouviu quando acrescentou que a sua moradia seria o Palácio Imperial de Potsdam. Catarina II, a Grande (Imperatriz da Rússia) acompanhou idêntico convite com protestos de amizade, que sublinhou oferecendo à “grande Luiza Todi” presentes de pasmar, por exemplo, a coroa de brilhantes que trazia na cabeça, dizendo: “bem merece uma coroa quem com tanta dignidade sabe representar o papel de Rainha” (A referida Rainha tinha sido a célebre Dido, fundadora da Cidade de Cartago, principal papel da ópera “Didone Abbandonata”, de Giovanni Paisiello). Em França foi nomeada “Cantora de Nação Francesa”. O seu regresso a Portugal (trinta anos antes da sua morte) foi manchado por catástrofes: a morte do seu marido; na Invasão Francesa, a sua captura pelas tropas de Soult (que a libertou pelo muito que a admirara nos palcos de Paris); a perda das suas joias e fortuna; e a cegueira, que provocou o fim da sua carreira e o regresso à Pátria.

Os seus últimos trinta anos foram (à semelhança de outro Grande Português – Nuno Álvares) de recolhimento piedoso. Morreu como uma Santa.
 
A sessão será seguida de jantar ao preço de 30€ por pessoa.

 

25 de Novembro, 4ª feira, pelas 19:00h
Sessão Comemorativa do nascimento de Eça de Queiroz, em 25 de Novembro de 1845

 NOS 170 ANOS D O NASCIMENTO DE EÇA DE QUEIRÓS 25.XI.1845 ♠ 16.VIII.1900
O Manto Diáfano do Desenho
Apresentado por Rui Campos Matos

Eça de Queirós nasceu na Póvoa de Varzim em 25 de Novembro de 1845. Regularmente e desde há um certo número de anos, o Grémio vem, festivamente, assinalando a data com um apurado jantar evocativo da ‘gastronomia’ queirosiana, precedido de oportunos acontecimentos revividos em torno da personalidade e obra tão presentes no velho Clube.

O Arqº Rui Campos Matos aceitou mostrar aos sócios e convidados do Grémio Literário o que chama “O Manto Diáfano do Desenho”, lembrando-se que o mesmo artista foi distinguido com uma Menção Honrosa em 2013 pela obra ilustrada «A Relíquia. Uma Antologia Ilustrada», edição brasileira Exclamação.

O artista nasceu na Póvoa de Varzim em 1956, frequentou o curso de escultura da ESBAL e licenciou-se em Arquitectura (FA-UTL, 1989).
Tem sido ampla e diversificada a sua produção neste campo, exposta e editada, em livro e revista, não apenas acerca da obra de Eça. Sobre Camilo Pessanha destaca-se uma festejada Antologia ( Ed. António Maria Pereira, 2009 e ed. Exclamação, 2015).

A sessão será seguida de um jantar, com uma ementa de inspiração queirosiana, ao preço de 40€ por pessoa.

As reservas devem ser feitas até sexta-feira, dia 20.

Solicita-se o uso de fato escuro para os homens.

 

 

 

Dona Maria da Graça Salema de Castro
12.XII.1919 6.IX.2015


Com sentido pesar informam-se os sócios do recente desaparecimento da instituidora e Presidente da Fundação Eça de Queiroz, também Sócia Honorária do Grémio Literário.

A circunstância de, muito recentemente, a Fundação haver assinalado o seu vigésimo quinto aniversário, permite consultar a documentação visual agora editada, testemunha surpreendente do notável legado que a Cultura Portuguesa e os estudos queirosianos ficam devendo aos trabalhos e à tenaz, devotada e nobre dedicação da extraordinária Senhora de Tormes.

Recomenda-se a consulta do interessante site www.feq.pt

03 de Dezembro, 5ª feira, pelas 18:30h
Apresentação de livro

O Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Prof. Doutor Levi Guerra, promove o lançamento do livro “O Rim Artificial. Uma história de afetos” da autoria de Margarida Negrais, Levi Guerra e José Emídio.

Seguir-se-á a abertura das exposições de pintura de Levi Guerra e de desenho de José Emídio.

No final será servido um Porto de Honra.

Professor Doutor LEVI GUERRA, natural de Águeda, médico, Professor Jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, e reformado como Diretor de Serviço do Hospital de S.João, especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Ordem dos Médicos;  fundador e ex-Director dos Serviços de Nefrologia do Hospital de Santo António e do Hospital de S. João; ex-Director do Hospital de S. João; “fellow” do American College of Physicians, membro honorário da Academia Brasileira  de Medicina, da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna e da Sociedade Portuguesa de Nefrologia; Presidente da Direcção do Instituto Cultural  D. António Ferreira Gomes, no Porto. “Prémio Nacional de Saúde 2013” do Ministério da Saúde, “Prémio de Saúde do Jornal Veritas 2014” e “Prémio Envelhecimento Ativo Drª Maria Raquel Ribeiro 2015”, da Associação Portuguesa de Psicogerontologia.
Percurso artístico: 22 Exposições individuais de pintura; 2 livros de poesia publicados.

JOSÉ EMÍDIO nasceu em Matosinhos em 1956, licenciou-se em Artes Plásticas, pela ESBAP, em 1981. Professor efectivo do ensino secundário de 1979 a 2000.
Professor do Ensino Superior, no Curso Superior de Desenho da ESAP de 1982 a 1997. Presidente da Direcção da Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto - CESAP, desde Janeiro de 1991, a Fevereiro de 1997 (dois mandatos).
Director da Árvore Cooperativa de Actividades Artísticas, CRL, na qualidade de vogal da Direcção, de 1989 a 2009.
Actualmente é Vice-Presidente da Árvore, mantendo o cargo de responsável técnico e artístico das Oficinas de Cerâmica, Fotografia, Gravura, Litografia e Serigrafia.
Desde 1976, considerando a sua entrada para a Escola Superior de Belas Artes do Porto, que desenvolve a actividade de pintor, participando, desde 1978, em exposições colectivas, tendo realizado a sua primeira exposição individual em Matosinhos no ano de 1982.
Ainda enquanto artista plástico, tem participado em diversas publicações literárias, com reprodução de trabalhos seus, na área da ilustração, bem como em conferências e seminários como orador ou ainda, trabalho como curador de exposições e projectos artísticos.
Tem ainda desenvolvido trabalho nas tecnologias da cerâmica, com particular destaque na criação de painéis, bem como na tecnologia do vitral.
Desde os tempos de estudante tem dedicado parte do seu trabalho à obra gráfica em gravura, litografia e serigrafia, tendo participado, desde então, em diversas edições nestas áreas.

MARGARIDA NEGRAIS, natural de Vale de Cambra, licenciou-se em Filologia Românica e foi professora do ensino secundário, tendo estado ligada à atividade de formação de professores na área da disciplina de Português; exerceu também funções docentes no Colégio Luso-Francês e dedicou-se igualmente a trabalhos de tradução para o JN. Após a aposentação, publicou dois livros na área da literatura infantil e infantojuvenil, tendo ainda participado no livro “O Museu e eu”, projeto da Câmara Municipal do Porto/ Pelouro do Conhecimento e Coesão Social; seguiu-se a participação no livro “ Contos do Vale”, editado pelo município de Vale de Cambra bem como uma participação no livro “Sem segredos”, editado pelo Hospital Veterinário Montenegro, do Porto. É docente de três unidades culturais no Instituto Cultural D. António Ferreira Gomes, em particular da Unidade de Escrita Criativa. Presentemente está no prelo o livro “ Luzia – Da humildade à benemerência”, editado pela SCMP.

 

Dezembro

03 de Dezembro, 5ª feira, pelas 18:30h
Apresentação de livro

O Grémio Literário, em colaboração com o Consócio Prof. Doutor Levi Guerra, promove o lançamento do livro “O Rim Artificial. Uma história de afetos” da autoria de Margarida Negrais, Levi Guerra e José Emídio.

Seguir-se-á a abertura das exposições de pintura de Levi Guerra e de desenho de José Emídio.

No final será servido um Porto de Honra.

Professor Doutor LEVI GUERRA, natural de Águeda, médico, Professor Jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, e reformado como Diretor de Serviço do Hospital de S.João, especialista em Medicina Interna e Nefrologia pela Ordem dos Médicos;  fundador e ex-Director dos Serviços de Nefrologia do Hospital de Santo António e do Hospital de S. João; ex-Director do Hospital de S. João; “fellow” do American College of Physicians, membro honorário da Academia Brasileira  de Medicina, da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna e da Sociedade Portuguesa de Nefrologia; Presidente da Direcção do Instituto Cultural  D. António Ferreira Gomes, no Porto. “Prémio Nacional de Saúde 2013” do Ministério da Saúde, “Prémio de Saúde do Jornal Veritas 2014” e “Prémio Envelhecimento Ativo Drª Maria Raquel Ribeiro 2015”, da Associação Portuguesa de Psicogerontologia.
Percurso artístico: 22 Exposições individuais de pintura; 2 livros de poesia publicados.

JOSÉ EMÍDIO nasceu em Matosinhos em 1956, licenciou-se em Artes Plásticas, pela ESBAP, em 1981. Professor efectivo do ensino secundário de 1979 a 2000.
Professor do Ensino Superior, no Curso Superior de Desenho da ESAP de 1982 a 1997. Presidente da Direcção da Cooperativa de Ensino Superior Artístico do Porto - CESAP, desde Janeiro de 1991, a Fevereiro de 1997 (dois mandatos).
Director da Árvore Cooperativa de Actividades Artísticas, CRL, na qualidade de vogal da Direcção, de 1989 a 2009.
Actualmente é Vice-Presidente da Árvore, mantendo o cargo de responsável técnico e artístico das Oficinas de Cerâmica, Fotografia, Gravura, Litografia e Serigrafia.
Desde 1976, considerando a sua entrada para a Escola Superior de Belas Artes do Porto, que desenvolve a actividade de pintor, participando, desde 1978, em exposições colectivas, tendo realizado a sua primeira exposição individual em Matosinhos no ano de 1982.
Ainda enquanto artista plástico, tem participado em diversas publicações literárias, com reprodução de trabalhos seus, na área da ilustração, bem como em conferências e seminários como orador ou ainda, trabalho como curador de exposições e projectos artísticos.
Tem ainda desenvolvido trabalho nas tecnologias da cerâmica, com particular destaque na criação de painéis, bem como na tecnologia do vitral.
Desde os tempos de estudante tem dedicado parte do seu trabalho à obra gráfica em gravura, litografia e serigrafia, tendo participado, desde então, em diversas edições nestas áreas.

MARGARIDA NEGRAIS, natural de Vale de Cambra, licenciou-se em Filologia Românica e foi professora do ensino secundário, tendo estado ligada à atividade de formação de professores na área da disciplina de Português; exerceu também funções docentes no Colégio Luso-Francês e dedicou-se igualmente a trabalhos de tradução para o JN. Após a aposentação, publicou dois livros na área da literatura infantil e infantojuvenil, tendo ainda participado no livro “O Museu e eu”, projeto da Câmara Municipal do Porto/ Pelouro do Conhecimento e Coesão Social; seguiu-se a participação no livro “ Contos do Vale”, editado pelo município de Vale de Cambra bem como uma participação no livro “Sem segredos”, editado pelo Hospital Veterinário Montenegro, do Porto. É docente de três unidades culturais no Instituto Cultural D. António Ferreira Gomes, em particular da Unidade de Escrita Criativa. Presentemente está no prelo o livro “ Luzia – Da humildade à benemerência”, editado pela SCMP.

 

9 de Dezembro, 4ª feira, pelas 18:00h
Conferência promovida pelo Instituto Luso-Árabe para a Cooperação

Vai realizar-se no dia 9 de Dezembro, pelas 18:00h, uma conferência promovida pelo Consócio Dr. Manuel Pechirra, presidente do Instituto Luso-Árabe para a Cooperação, subordinada ao tema “As Relações Económicas entre Portugal e o Reino da Arábia Saudita”.

A sessão, cujos conferencistas são o Dr. Pedro Ortigão Correia, administrador-executivo da AICEP – Portugal Global, e o Dr. Rodrigo Ryder, presidente do Business Council Portugal – Saudi Arabia, contará com a presença de um representante da Embaixada do Reino da Arábia Saudita.

 

11 de Dezembro, 6ª feira, pelas 18:30h
Lançamento de livro

O Grémio Literário em colaboração com o Consócio Dr. Luis Vilaça Ferreira, presidente da Fundação Lipari Garcia, promove, em 11 de Dezembro, pelas 18:30h, a apresentação do livro de Vasco D’Orey Bobone “Dignidade da Memória – Portugal em Roma”.

A apresentação do livro será feita pelo próprio autor, falando igualmente do mesmo o Dr. Luis Vilaça Ferreira e o Dr. Augusto de Athayde.

No final será servido um Porto de Honra

Sábados do mês de Dezembro

O Grémio Literário está aberto aos sábados durante o mês de Dezembro, das 11h00 às 19h00, com o objectivo de apoiar os sócios e familiares nas suas deslocações ao Chiado, na quadra natalícia. Neste período e dentro daquele horário haverá serviço de bar e serão servidos almoços e lanches.

O preço do almoço (buffet), sem bebidas, é de 25,00€. As crianças até aos dez anos, serão convidadas do Grémio Literário. O buffet é constituído, como nos anos anteriores, por um conjunto de saladas, queijos, carnes frias, um prato quente, sobremesas diversas de doces e fruta, sendo o café ou o chá servido na mesa.

Informamos, desde já, os pratos quentes para cada um desses sábados:

05 de Dezembro
Arroz de Pato

12 de Dezembro
pescada à Marinheira

19 de Dexembro
Cozido à Portuguesa

Agradecemos que V.Exa. proceda, se possível, à prévia reserva com 48h de antecedência.

 

Noite de São Silvestre

Na sequência do falecimento do Dr. José Macedo e Cunha, o Conselho Director decidiu cancelar a festa de Reveillon prevista para 31 de Dezembro.