Boletim de Maio

3

de Maio, 5ª feira, pelas 20:00h - Conferência ao jantar “Análise clínicas: valores de predição ou valores de perdição...”

Por iniciativa do Consócio Prof. Doutor José Cortez vai ter lugar, na Biblioteca, uma conferência ao jantar subordinada ao tema “Análise clínicas: valores de predição ou valores de perdição...”.

Os exames complementares de diagnóstico são imperfeitos e se não forem criteriosamente pedidos, podem conduzir a decisões clínicas desajustadas que se transformam em perdas da qualidade assistencial, custos desnecessários e intranquilidade em médicos e doentes.

O preço do jantar é de 30,00€, por pessoa.

9

de Maio, 4ª feira, pelas 18:30h - Lançamento de livro

Por iniciativa do Consócio Dr. Manuel Pechirra, o Grémio Literário promove o lançamento do livro de poemas “A Era dos Versos” da autoria do escritor Mário Máximo, cuja apresentação estará a cargo do escritor Domingos Lobo.

Em 2016 foi editada a sua "Antologia – Poemas Escolhidos Trinta Anos de Poesia", que constitui um momento de consagração de um trajeto literário e poético de longo curso.

“A Era dos Versos” é, assim, o primeiro livro de poemas de Mário Máximo, publicado após a edição da referida Antologia. Trata-se, pois, do início de um novo ciclo criativo do autor.

Mário Máximo já editou vinte e dois livros nos mais diferentes géneros literários: poesia, romance, conto, crónica e teatro".

15

de Maio, 3ª feira, pelas 18:30h - Lançamento de livro

Por iniciativa da Consócia Dra. Zita Seabra, o Grémio Literário promove o lançamento do romance “Recados da Alma”, da Ideia-Fixa Editora e da autoria do jornalista moçambicano Bento Baloi.

A apresentação estará a cargo de Luís Carlos Patraquim.

16

de Maio, 4ª feira, pelas 19:00h - Jantar/debate Ciclo “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”

Por iniciativa do Dr. António Aires Gonçalves, Presidente do Conselho Literário, realiza-se mais uma sessão do Ciclo Literário onde será apresentada a obra de José Carlos Vasconcelos pelo Prof. Doutor Fernando Martinho.

José Carlos Vasconcelos estudou Direito em Coimbra, onde foi presidente da Assembleia Magna da Associação Académica. Foi chefe de redação da revista de cultura Vértice, então, com a Seara Nova, a mais importante.

Logo após o 25 de Abril esteve na direção do Diário de Notícias e da informação da RTP. Na RTP fez também, com Fernando Assis Pacheco, ainda em 1974, o primeiro programa literário “Escrever é Lutar”; e foi, durante muitos anos, comentador político (na RTP-1 e na RTP-2), tendo pertencido ainda ao seu Conselho de Opinião.

Foi um dos fundadores de O Jornal e foi também fundador e director editorial da revista Visão, que substituiu O Jornal.

Integrou o Conselho Geral da Fundação Calouste Gulbenkian, foi deputado à Assembleia da República e presidiu à Comissão Parlamentar Luso-Brasileira. Pertenceu à Comissão de Honra dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil, país a que está muito ligado.

Tendo criado, em 1981, o JL, Jornal de Letras, Artes e Ideias, que desde aí manteve, regular e ininterruptamente, a sua publicação, é seu director desde o início até hoje; e também coordenador editorial da Visão. Foi o comissário do Encontro Internacional da Língua Portuguesa para o Desenvolvimento dos Povos, promovido pela União Latina, integrou ainda o Conselho Geral da Universidade de Coimbra, o Conselho das Ordens Honoríficas Nacionais (no âmbito da Presidência da República) e o Conselho Consultivo do Instituto Camões; pertence aos conselhos consultivos de Língua e Literatura e do Centro Cultural de Paris da Fundação Gulbenkian e ao conselho editorial da Imprensa Nacional. 

Para além de uma vasta obra poética, publicou três livros infantojuvenis, dois livros de entrevistas e um livro sobre Lei de Imprensa/Liberdade de Imprensa.

Entre outras distinções foram-lhe atribuídos o Prémio Cultura, da Fundação Luso-Brasileira, para personalidades dos dois países, logo na sua 1ª edição, e todos os prémios de carreira do jornalismo português. É membro da Academia Brasileira de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa.

A sessão será seguida de jantar ao preço de 30,00€, por pessoa.

22

de Maio, 3ª feira, pelas 19:00h - Celebração dos 100 anos sobre o nascimento de António José Saraiva

Por iniciativa do Dr. António Aires Gonçalves, Presidente do Conselho Literário, realiza-se, na sala Louis XV, um encontro com a Profª. Doutora Teresa Rita Lopes, o Prof. Doutor Eduardo Lourenço, António Valdemar e Vicente Jorge Silva, para celebração dos 100 anos do nascimento do Prof. Doutor António José Saraiva, um dos maiores vultos da cultura portuguesa do Sec. XX.

António José Saraiva nasceu em Leiria, a 31 de Dezembro de 1917 – segundo filho de uma família católica, tradicional, com gosto e respeito pela cultura. O pai foi professor do ensino liceal, reitor em Leiria e Lisboa, e estudioso da nossa história. A.J.Saraiva licenciou-se em Filologia Românica na Faculdade de Letras de Lisboa e, depois de uma brilhante tese de Doutoramento sobre Bernardim Ribeiro, foi convidado para assistente do Professor Vitorino Nemésio, que daí o expulsou, pouco tempo depois, não por razões políticas, como se diz, mas em reacção à sua, de sempre, irreverente rebeldia.

Começou então a sobreviver sobretudo graças à sua monumental História da Cultura em Portugal, que, mais tarde, declarou em remodelação, (nunca levada a efeito) por se ter alterado a sua visão marxista da história. Militante do Partido Comunista, perseguido e preso, foi forçado a exilar-se em Paris, onde sobreviveu custosamente com bolsas do Centre National de la Recherche Scientiphique. “Divorciou-se” daquele Partido (que nunca lhe perdoou a deserção) quando, no exílio, a militância lhe seria menos arriscada. Nunca abandonou, contudo, a sua atitude militante pela cultura: dirigiu, com Maria Lamas e Teresa Rita Lopes, a filial portuguesa da Ligue pour l’Enseignement Laique, que organizou um grupo de teatro (que até actuou num bidonville de portugueses), cursos de alfabetização e conferências em Paris.

Em 1970 venceu o concurso para Professor Catedrático da Universidade de Amesterdão, onde leccionou até ao 25 de Abril, altura em que regressou ao ensino universitário, em Lisboa – primeiro na Universidade Nova, depois na Clássica.

Morreu em 1993, em Lisboa, subitamente, evocando o pai num discurso de agradecimento de um prémio literário que lhe tinha sido concedido.

A lista das suas numerosas obras não cabe nesta sucinta apresentação. Apesar de ter sido uma das mentes mais brilhantes do nosso século XX, maître à penser dos jovens do seu tempo, inclusive dos “capitães de Abril”, foi atacado por gregos e troianos por não ter estacionado na visão da história e da cultura dos seus primeiros tempos mas ter permitido ao seu pensamento evoluir e continuar a tirar ensinamentos do que, pelo mundo, acontecia.

A sessão será seguida de jantar ao preço de 30,00€, por pessoa.

22

de Maio, 3ª feira, pelas 20:00h - Jantar/debate Ciclo “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”

Mário Centeno, Ministro das Finanças e Presidente do Eurogrupo, é o nosso orador convidado para o jantar-debate do próximo dia 22 de Maio, na Biblioteca, promovido pelo Clube Português de Imprensa, em parceria com o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário, sob o tema que tem presidido a esta série - “O estado do Estado: Estado, Sociedade, Opções”.

Mário José Gomes de Freitas Centeno nasceu em Olhão, em Dezembro de 1966, e fez o seu percurso académico em Lisboa, para onde veio morar, com os pais e irmãos, quando tinha 15 anos. Obteve no ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão a sua licenciatura em Economia, em 1990, seguida de um mestrado em Matemática Aplicada na mesma escola superior.

Os que o conheceram nesse tempo recordam-no como um estudante aplicado, de trato fácil, mas não extrovertido. Fazia parte da associação de estudantes e interessava-se pelo desporto, jogando na equipa de râguebi.

Mário Centeno prossegue os seus estudos superiores, a partir de 1995, na Universidade de Harvard, nos EUA, onde obtém, primeiro, um mestrado em Economia, e depois o doutoramento na mesma especialidade.

De regresso a Portugal, foi economista no Banco de Portugal, de 2000 a 2004, e director-adjunto do Departamento de Estudos Económicos da mesma instituição, de 2004 a 2013.

Entre 2004 e 2013 foi ainda membro do Comité de Política Económica da Comissão Europeia. E entre 2007 e 2013 foi, em Portugal, Presidente do Grupo de Trabalho para o Desenvolvimento das Estatísticas Macroeconómicas, do Conselho Superior de Estatística.

É Professor Catedrático do ISEG, onde iniciou a sua formação académica superior.

A 26 de Novembro de 2015 tomou posse como Ministro das Finanças do XXI Governo Constitucional, e a 4 de Dezembro de 2017 foi eleito Presidente do Eurogrupo, tendo a sua candidatura sido apoiada pela Espanha, França, Itália e Alemanha.

Ficou na história dos meios europeus, em Maio de 2017, o elogio que lhe foi feito por Wolfgang Schäuble, então Ministro das Finanças da Alemanha, quando lhe chamou o “Ronaldo do Ecofin”.

O preço do jantar é de 30,00€, por pessoa.

25

de Maio, 6ª feira, pelas 19:30h - Tertúlia: o liberalismo e a ameaça dos populismos na Europa e nos EUA

O Grémio Literário promove, por iniciativa do advogado André Abrantes Amaral e do Consócio Carlos Novais, uma tertúlia sobre o liberalismo e a sua resposta aos populismos que proliferam na Europa e nos EUA.

São convidados o Professor Doutor Vasco Pulido Valente, escritor e comentador político, e o Dr. Adolfo Mesquita Nunes, advogado, ex-Secretário de Estado do Turismo e vice-presidente do CDS.

22

e 29 de Junho, 6ªs feiras, pelas 20:30h - Jantar dos Santos Populares – Orquestra de Jazz “Lisbon Swingers”

Dado o interesse manifestado pelos estimados Consócios vai realizar-se, este ano, em duas edições (dias 22 e 29 de Junho), o tradicional jantar, no jardim, dos Santos Populares, animado pela orquestra de jazz “Lisbon Swingers”. A banda, com cerca de 20 elementos, está voltada para a interpretação dos grandes temas de jazz, nomeadamente dos clássicos americanos da era do swing. Os seus gostos são ecléticos mas procuram, frequentemente, aproximar-se do som típico de orquestras conhecidas como as de Count Basie ou de Duke Ellington.

Caso se verifiquem condições meteorológicas adversas, os eventos realizar-se-ão no interior do Grémio Literário.

O preço do jantar é de 45€ por pessoa.